Coração Peludo – Entrevista

Plínio Camillo 1

“É uma honra ter como primeiro convidado o Plínio Camillo, que acaba de publicar “Coração Peludo” (editora Kazuá). O livro começou como um blog homônimo, no qual o Plínio ia lançando seus contos diversos, divertidos, instigantes e com um fio-condutor que foi angariando leitores a ponto de o projeto chamar a atenção da editora, que propôs a publicação. Ah, sim, ele continua atualizando o blog, então, quem ficar interessado pode clicar lá e fazer uma degustação.”

De longe, o assunto que mais gosto de aprender a respeito é literatura. Seja lendo livros, entrevistas com os autores, textos sobre a arte de escrever. Claro e evidente que nem todo mundo tem a mesma obsessão que eu, mas nessas minhas pesquisas descobri algo no blog Terrible Minds, do Chuck Wendig, que achei que o povo daqui poderia gostar tanto como eu: ele pede que outros colegas escritores, que estejam lançando livros bacanas, comentem quais as cinco coisas que eles aprenderam durante o processo de escrita. E daí vale tudo: coisas que aprenderam durante a fase de pesquisa, sobre técnicas de escrita, etc. Pra mim, esses depoimentos sempre ajudam a refletir tanto sobre a leitura quanto sobre a escrita.  Por isso, resolvi replicar a ideia por aqui.

É uma honra ter como primeiro convidado o Plínio Camillo, que acaba de publicar “Coração Peludo” (editora Kazuá). O livro começou como um blog homônimo, no qual o Plínio ia lançando seus contos diversos, divertidos, instigantes e com um fio-condutor que foi angariando leitores a ponto de o projeto chamar a atenção da editora, que propôs a publicação. Ah, sim, ele continua atualizando o blog, então, quem ficar interessado pode clicar lá e fazer uma degustação.

Com a palavra, o autor:

1)Picasso tinha razão*

Que escrever e muito mais que um ato inspiratório! Sim uma ação com muita transpiração, reflexão, inflexão e determinação. O ato de criação pode ater ser abstrato, porém a prática congrega um misto de subjetividade e objetividade. Escreve o que deseja, porém tendo em mira alguém que não conhece.

2)O trabalho do autor continua depois do último ponto final:

A divulgação é um compromisso do escritor. Outros poderão auxiliar, porém o escritor deve tomá-la como sua grande empreitada.

3)Conhece a ti mesmo

Percebi a minha linha da minha literatura. Sobre o que desejo discorrer.

4)Prioridade e planejamento

Escrever, criar um livro, necessita de planejamento em todas as etapas. Planejamento fino e detalhado.

5)Um dia depois do outro

Que não existe vitórias retumbantes e nem fracassos ressoantes. Sua autoestima é que pode estar em jogo. Necessita recriar uma maturidade como pessoa e como ‘escrivinhador’. Atentar-se para a vaidade cegante ou o pessimismo adivinhatório. Cabeças nas nuvens, pés no solo e o resto fazendo a doce conexão.

*Reza a lenda que Picasso teria dito: “Que a inspiração chegue não depende de mim. A única coisa que posso fazer é garantir que ela me encontre trabalhando

Livro na Mochila de Aline Viana

http://livronamochila.blogspot.com.br/2014/09/plinio-camillo-5-coisas-que-aprendi.html

Anúncios

Por gentileza: comente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s